Todo mundo pode desenvolver com o Bluemix (parte 1)

Wattie: o urso falante do IBM Watson.

Um dia me peguei pensando em como desenvolver alguma aplicação em Bluemix, apesar de trabalhar com Cloud Computing há algum tempo, sempre fui mais focado em IaaS (Infrastructure as a Service), até pelo meu background técnico muito mais voltado para operação do que para desenvolvimento, não parecia ser uma idéia muito simples de ser realizada.Depois de ver uma apresentação de um colega e a maneira simples e fácil como ele demonstrava a criação de aplicações, cheguei a conclusão que se eu conseguisse utilizar o Bluemix para criar algum projeto, qualquer um conseguiria.

Entrei no portal, especialmente na parte de documentação e me surpreendi ao descobrir que contava com exemplos práticos de como utilizar os serviços, me desafiei e fui a campo, depois de algumas interações com com a equipe do Bluemix, descobri que para mim, um cara que programava em shell script (sim, pode dar risada… o pessoal de infra chama isso de programação), o JavaScript era uma linguagem que seria mais fácil de aprender.

Navegando nos serviços do IBM Watson decidi que fazer um ursinho de pelúcia falar seria relativamente simples e chamaria atenção, rabisquei em um papel um diagrama (mais ou menos como esse abaixo), e depois achei um urso para ser a vítima de meus testes.

wattie2
Comprei um livro de Node.js para entender a teoria da linguagem e utilizando os exemplos disponíveis no portal, especialmente o Text to Speech, criei uma aplicação, que se você já é desenvolvedor nem perca tempo em olhar, mas que está disponível no meu github em: https://github.com/jmbarros/wattie

Após escolher um hardware compatível, apanhar mais um pouco do Node.js, queimar algumas baterias e marcar a ferro de solda a mesa de jantar, saiu um protótipo de urso falante que pode ser visto no vídeo abaixo:


Foram investidas duas noites para a execução desse protótipo, entre “marretar” o Node.js e soldar as partes eletrônicas no urso, e o principal problema encontrado foi em casa – pois acidentalmente fiz uma marca de ferro de solda na mesa da sala. Mas a conclusão é que mesmo um “não desenvolvedor” pode criar aplicações interessantes de maneira rápida e sem complicação no Bluemix.

Até a próxima,
JMB
@jbarros

3 thoughts on “Todo mundo pode desenvolver com o Bluemix (parte 1)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *